Carta aberta


O Grupo Vitamóre irá realizar o I Seminário Estadual em HTLV, entre os dias 19 a 22 de setembro de 2012. Estamos trabalhando diariamente para proporcionar a todos uma excelente experiencia.

Buscar apoio é fundamental para que tudo corra bem e foi pensando nisso que enviamos um email de Solicitação de Apoio para algumas instituições, dentre elas a CAPES.

A resposta definitiva de apoio ou não ao evento, por parte da CAPES, ainda não foi dada. Mas durante essa semana tivemos uma sequencia de acontecimentos que decidimos expor à vocês. Essa decisão foi tomada, para que todos tenham ciência não só da dificuldade diária que enfrentamos, mas também para mostrar que o Grupo Vitamóre não está na causa HTLV a passeio.

Recebemos, no dia 12 de junho de 2012, a orientação de que deveríamos preencher o formulário no site da CAPES para que a solicitação fosse averiguada. E assim o fizemos, porém nos deparamos com a questão de prazos. Ao indagar a quem nos passou essa orientação, tivemos a seguinte resposta:

“Meus caros,

Estou repassando sua mensagem para o Dr. Adalberto Grassi Carvalho da Diretoria de Programas e Bolsas, que vai lhe propor uma saída para o impasse. Mas devo reclamar que, infelizmente, muitos colegas da comunidade não gostam de ler os regulamentos dos editais que explicitam as regras. Outros sequer abrem a conta bancária para efeito de depósito dos recursos de apoio concedido pela CAPES e depois ficam reclamando que a agência está atrasada no apoio. A CAPES financia hoje mais de 1400 eventos por ano e não dá para ficar fazendo arranjos individuais mesmo quando se trata de eventos meritórios. Por conta da avalanche de pedidos de apoio para eventos (as demais agências estão pulando fora desse suporte) tivemos que, muito recentemente, ampliar o prazo de solicitação de três para quatro meses da antecedência do evento, para dar tempo de processar todos os pedidos. Não tinha me dado conta dessa recente mudança quando respondi sua primeira mensagem.

Um abraço,

Jorge Guimarães.”

 

Nossa resposta imediata foi:

 

“Prezado Dr.. Jorge Guimarães,

Compreendemos perfeitamente a necessidade de que se siga o fluxo de solicitação. No momento em que o senhor nos informou sobre a possibilidade de fazer o pedido a CAPES, a primeira coisa que fizemos foi ler o edital para ver em qual nos encaixávamos e logo nos deparamos com essa questão de prazo.

O Grupo Vitamóre é uma instituição séria, que possui toda sua documentação em dia, tem uma diretoria constituída por pessoas inteligentes, com formação acadêmica e que tem, como objetivo, tirar o HTLV do ostracismo.

Somos a única Associação de Portadores do HTLV no Brasil, em atividade, não temos Donantes e/ou Patrocinadores, o que não nos faz melhor ou pior do que qualquer outra associação, mas nos traz muitas dificuldades financeiras. Até porque não temos nenhum artista famoso que possa levantar nossa bandeira.

Atrelado a isso, estamos também com a demanda acima de nossa capacidade. Atualmente estamos auxiliando não só a portadores (esclarecendo duvidas, buscando material de higienização, remédios, centros de tratamento e etc.), mas também a profissionais da área de saúde pedindo que façamos algo, pois estão sobrecarregados, não encontram recursos para o HTLV e nem soluções.

Lidar com a causa HTLV hoje em dia, é ideologia, pois não há amparo e muito menos retorno.

Esse cenário não é culpa nossa, nem dos portadores, nem dos profissionais de sáude, e nem do CAPES. Mas se não houver cooperação entre nós, continuaremos onde estamos, e sem força para exigir, a quem realmente deve nos apoiar, o amparo necessário.

Nós, do Grupo Vitamóre, poderíamos ter projetado os custos com uma margem de retorno para nossa Associação, já que não temos de onde tirar dinheiro para arcar com as contas do grupo e muito menos com as solicitações que nos são feitas. Mas em momento algum pensamos nisso, porque o nosso objetivo em relação ao Seminário é  exclusivamente ensinar e passar o conhecimento sobre o HTLV.

O retorno do seu e-mail nos sugerindo enviar nosso projeto à CAPES, acendeu nossas esperanças. Não temos culpa se as suas informações não estão atualizadas. Inclusive já enviamos conforme edital, a Carta de Encaminhamento por Sedex, na data de hoje. Cumprimos todas as exigências. O que não podemos, é ficar aguardando respostas que não chegam, vendo o tempo passar, e quando chegam são mais uma decepção.

É importante esclarecer que, não estamos organizando uma “reunião de confraternização para universitários”, estamos fazendo o que o Governo deveria fazer, ensinar, divulgar, esclarecer e incentivar novos pesquisadores, futuros Mestres em pesquisas desses retrovírus que estão eliminando a nação. Nossos grandes cientistas/pesquisadores, estão naturalmente envelhecendo, vão se aposentar e precisam deixar discípulos capacitados para ocuparem seus lugares.

Mas, acreditamos que é muito difícil entender a gravidade da situação quando não se tem um caso na família ou na corrente sanguínea, o vírus HTLV. Porém o senhor pode verificar em matérias publicadas na mídia, que nosso país está voltando a fase da Epidemia Descontrolada do HIV, o que aumenta o número de óbitos e demanda por co-infectados.
 Esse email segue em cópia para a Comissão Científica do Seminário e em formato de carta aberta, pois será postado em nosso site.

Att.,
Sandra do Valle – Presidente do Grupo Vitamóre
Nathália Fonseca – Vice-Presidente do Grupo Vitamóre”

Em seguida recebemos um email do Sr. Adalberto Grassi Carvalho, nos informando que manteríamos contato para que as instruções relativas a apoio fossem passadas.

As negociações serão retomadas a partir de quarta-feira, e esperamos que tenha um bom desfeixo para ambas as partes.

Nosso intuito não é expor a ninguém ou a qualquer Instituição. Todos nós estamos suscetíveis a erros, porém pessoas que estão em cargos de liderança tem o dever de saber o que falam, e principalmente, da forma como falam.

Diretoria do Grupo Vitamóre.

 

 

This entry was posted in Comunicado, Direitos, Governamental, Seminário HTLV. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *