HTLV-1 x HAM/TSP x ATL

Prezados amigos!

No transcorrer da semana, o Grupo de Assistência e Informações sobre HTLV no Wathsapp, teve uma discussão acirrada acerca da ATL – Leucemia de Células T do Adulto. Diante das dúvidas e total falta de informações, procurei ajuda com médicos conhecidos e busquei informações na literatura. Abaixo, o e-mail da Dra. Fabiola Martin (Professora de Medicina do HIV, University of York, Consultor em Saúde Sexual e HIV Medicine, Hospital de Ensino Iorque – Inglaterra) e trechos do Caderno Hemominas de HTLV.

Espero conseguir sanar algumas dúvidas. Mas, continuamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Sorry went off too early
Ok, pl have a look at our website first
Next, the reason why u don’t receive much response is because nobody really knows

95% of ACs never develop ATLL or HAM.
There is a 2.5-5% chance of developing disease.

What we do know is that ATLL is commonly seen in patients who were infected as babies because you need decades of infection before ATLL develops.

HAM is seen mostly in older women, they often have acquired HTLV through sex.

All in all I would reassure everybody. The risk of developing disease is low and carriers rarely develop both conditions.

Hugs back my dear
Fabiola

TRADUÇÃO DO GOOGLE

“Desculpe saiu muito cedo

Ok, pl têm uma olhada no nosso site em primeiro lugar

Em seguida, a razão por que u não recebem muita resposta é porque ninguém sabe ao certo

95% das ACs ( lê-se assintomáticos) nunca desenvolvem ATLL ou HAM .

Existe uma hipótese de 2,5-5 % de desenvolver a doença .

O que sabemos é que ATLL é comumente visto em pacientes que foram infectados como os bebês , porque você precisa de décadas de infecção antes ATLL desenvolve .

HAM é visto principalmente em mulheres mais velhas , que muitas vezes têm adquirido HTLV através do sexo .

Todos em todos os gostaria de tranquilizar a todos. O risco de desenvolver a doença é baixo e transportadores raramente desenvolvem ambas as condições .”

Abraços de volta a minha querida

Fabiola

CADERNO DE HTLV DO HEMOMINAS

“No Brasil, a ATL é frenquentemente diagnosticada entre as doenças linfoproliferativas  nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Pernambuco. As forma clínicas agudas e linfomatosas foram mais frequentementes  relatadas, relatando a alta frequência das doenças associadas ao HTLV-1 no País” (Pombo de Oliveira, 1998).

“… no Brasil, observou-se que a idade dos pacientes diagnosticados com ATL variou entre 13 a 78 anos, com uma mediana de 43 anos. Há descrição de ATL em crianças jovens (2-21anos) na coorte brasileira” (Pombo de Oliveira,1998).

“A ATL vista na Jamaica tem uma associação maior com Mielopatia Crônica (HAM/TSP) do que aquela vista no Japão” (Hollsberg,1993).

“Na série brasileira, entre 195 casos de ATL, houve 14 pacientes dentre os quais nove homens e cinco mulheres, que apresentaram uma associação com a mielopatia crônica” (Pombo de Oliveira,2000).

“Crianças que apresentam dermatite infecciosa relacionada ao HTLV-1 na infância são de risco para a ATL”(Hanchard, 1991).

“ Altos níveis de carga proviral para o HTLV-1 podem estar associados as doenças (ATL, HAM/TSP), porém os fatores  de risco para uma alta carga viral são incertos” (Proetti,2005).

A transmissão vertical tem sido demonstrada como maior fator de risco em se adquirir ATL quando comparada a outras doenças associadas ao HTLV-1. A amamentação foi relacionada à ATL, enquanto a infecção por via endovenosa ou sexual mostrou uma maior associação com ocorrência de HAM/TSP. Kashiwagi e seus colaboradores, em 2004, no Japão, relataram taxas de transmissão de HTLV-1 pela amamentação de 5,1% para crianças amamentadas com leite materno por período igual ou inferior a 3 meses e taxas de 38,5% para crianças amamentadas por período igual ou superior a 12 meses”(Kashiwagi,2004).

“A hipótese é que a via da primeira infecção ofereça ao vírus acesso a um conjunto de células específicas, influenciando de forma diversa o curso da doença.”

Referência: Caderno HEMOMINAS – HTLV, vol. XV; cap. 09; páginas: 131 a 133.

Sandra Do Valle

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *