ENTREVISTA DA DRA. ANNA PROIETTI AO JORNAL ESTADO DE MINAS

Para a professora e orientadora Anna Bárbara Carneiro Proietti,
Como foi para você ser a orientadora da Mariana?
Foi ótimo orientar Mariana e seus colegas, no grupo que chamamos GIPH-FASEH, isto é, Grupo Interdisciplinar de Pesquisas em HTLV, do qual a FASEH participa com excelentes alunos. O GIPH foi criado pela Fundação Hemominas e conta com mais cinco instituições participantes além da FASEH, quais sejam, a Fiocruz, a UFMG (Faculdade de Medicina e Instituto de Ciências Biológicas, a Universidade dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), e a Rede Sarah de hospitais do aparelho locomotor.
A dedicação destes alunos da FASEH é muito grande, como demonstram os resultados de suas pesquisas, reconhecido pelos organizadores da 16 Conferência Internacional de Retrovirologia Humana – HTLV.
Duas outras docentes da FASEH e participantes do GIPH orientaram este grupo, as professoras Marina Lobato Martins, Bráulio Gonçalves Marinho e Ana Lucia Starling, além dos especialistas e mestres em ciência da Saúde, Luiz Romanelli e Sueli Namen.
Como você vê a importância do trabalho dela?
O trabalho do grupo de alunos da FASEH foi fundamental para a obtenção dos resultados apresentados na 16 Conferência. A infecção pelo HTLV é endêmica no Brasil e é considerada uma doença negligenciada, com poucas verbas para tratamento e para pesquisa. Temos a sorte de em Minas Gerais termos o apoio da Fapemig e da Hemominas para estas pesquisas, bem como contar com os alunos da FASEH, da Fiocruz e da UFMG para contribuírem para o avanço das pesquisas.
Como você vê o resultado da pesquisa de Mariana?
Com os resultados apresentados pelo grupo GIPH, a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte está providenciando a inclusão dos testes para HTLV no pré-natal na capital, pois esta virose pode ser transmitida das mães para os filhos, através do aleitamento materno. Isto é muito importante, pois atualmente está transmissão ocorre silenciosamente, sem que as pessoas saibam.
Colaboração Internacional
Além das sete instituições em Minas Gerais que participam do grupo, o GIPH conta também com parcerias nos Estados Unidos, França e Argentina, o que é muito importante para o avanço das pesquisas. Recentemente, um dos participantes do Grupo, Gustavo Brito, que é docente da UFVJM, fez um pós- doutorado no NIH, na cidade de Bethesda, nos Estados Unidos, no laboratório do Professor Kuan Teh Jeang, renomado pesquisador da área. Outra participante do GIPH, Jordana Reis, da Fiocruz fez estágio na Universidade Drexel, na Filadélfia, com a Dra. Pooja Jain, que pesquisa vacinas para a prevenção do HTLV. Com a Argentina, o GIPH participa do aperfeiçoamento de testes para a detecção do vírus.
Qual é a produção e quais são as linhas de pesquisas do GIPH?
O GIPH tem expressiva produção científica reconhecida internacionalmente, sendo o grupo que mais publica sobre HTLV no Brasil, em periódicos de qualidade. Tem pesquisas nas áreas de epidemiologia, virologia, imunologia, biologia molecular, hematologia, neurologia, dermatologia, ontologia (representação do conhecimento), dentre outras.
Participação do usuário do SUS
Um destaque na 16 Conferência foi a participação de Sandra do Valle, presidente da Vitamore, associação de pessoas vivendo com HTLV no Brasil. Ela foi apoiada pelos pesquisadores para que pudesse participar. Falou na abertura do congresso, dizendo da importância de se melhorar o atendimento ao HTLV no Brasil, pois esse vírus é praticamente desconhecido da população e das equipes de saúde. É necessário que a população saiba mais como prevenir a transmissão deste vírus. A transmissão silenciosa de mães para filhos é lamentável em um país que tem um sistema único de saúde e que deveria fazer a triagem do vírus no pré-natal. É necessário que o SUS aprenda mais sobre este vírus e abra um diálogo sobre este vírus com a população. É estimado que mais de um milhão de pessoas no Brasil vivam com o vírus, sendo que a maioria ignora o seu estado e quase nenhum tem tratamento adequado. Os médicos não pensam e não sabem diagnosticar o HTLV! Falta uma política do SUS! contato: sandradovalle@vitamore.com.br ou diretoria@vitamore.com.br
Augusto Pio
Nucleo de Suplementos e Revistas
Estado de Minas – TV Alterosa – Rádio Guarani – Jornal Aqui
Diários Associados
Tel.: +55 (31) 3263-5785

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *